Índios

indio.jpg

Quando os colonizadores portugueses aportaram no sul da Bahia, em 1500, as terras litorâneas brasileiras eram ocupadas por índios Tupis-guaranis. No litoral baiano, predominavam dois grandes grupos da nação Tupi: tupiniquins e tupinambás. O primeiro grupo habitava a faixa que vai de Camamu ao Espírito Santo. O segundo dominava a extensa área costeira de Sergipe a Ilhéus. No interior do estado prevaleciam os Aimorés ou Botocudos, que só foram conhecidos pelos portugueses anos mais tarde.

Desde o início estabeleceu-se entre colonizadores e nativos uma relação pacífica de escambo. Os índios forneciam aos colonos alimentos, madeira para construção e trabalho para derrubada de árvores. Em troca, recebiam ferramentas, roupas e outros utensílios introduzidos no seu consumo a partir do momento em que entraram em contato com os portugueses.

Segundo a antropóloga Maria Hilda Baqueiro Paraíso, à medida que o processo de colonização foi-se tornando mais extensivo e exigente, os colonos começaram a alternar suas relações com os índios. As tentativas de escravização dos índios tornaram-se mais efetivas. Por outro lado, provocavam reações por parte dos índios que não aceitavam a nova modalidade de relacionamento. Nas lutas contra os colonos, os tupiniquins foram sendo dizimados. Aliado a fatores ecológicos e bióticos, como epidemias de varíola, esse processo resultou na morte de mais de dois terços da população indígena do Extremo Sul da Bahia, na segunda metade do século XVI.
 

Bahia.com.br
Copyleft 2018