Circuitos de Carnaval

carnaval-salvador.jpg

Maior festa popular do planeta, o Carnaval de Salvador cresceu tanto, que hoje se distribui simultaneamente em três circuitos da cidade. Para aqueles que preferem mais tranquilidade e para os mais saudosos, o circuito Batatinha, no Pelourinho, é a melhor pedida. Já o Carnaval no trecho Barra-Ondina (circuito Dodô) e no centro(Osmar) apresenta emoções diferentes e muito agito, com as apresentações dos grandes nomes da axé music, além do desfile de blocos afros e afoxés.

Circuito Batatinha

 Tendo como palcos principais, as praças, Municipal e da Sé, além do famoso Pelourinho, o carnaval do centro histórico, à cada ano, apresenta-se mais bonito, alegre e estruturado. A iniciativa de revitalizar a folia neste ponto da cidade surgiu com o Projeto Pelourinho Dia e Noite, que em parceria com a Secretaria de Cultura e Turismo do Estado, é também o responsável pela maioria dos eventos realizados no local, durante todo o ano. No carnaval, em meio a casarões coloniais, ruas bem pitorescas e um astral todo especial, bandinhas e charangas percorrem os caminhos do “Pelô”, tocando antigas e saudosas marchinhas, que arrastam uma multidão super eufórica. Por apresentar uma programação mais tranqüila, o Circuito Batatinha é muito procurado por famílias, que querem curtir um carnaval mais calmo, longe da badalação do eixo tradicional. Na praça Municipal, o palco armado em frente à sede da Prefeitura já se tornou famoso pelos desfiles e concursos de fantasia.

Circuito Dodô

Para a maioria dos amantes do carnaval baiano, o surgimento do Circuito Dodô representou para a festa, uma verdadeira revolução em termos de infra-estrutura e conforto. A folia adquiriu, com o passar dos anos, o status de maior festa popular do planeta, fazendo com que o circuito tradicional (Campo Grande), se tornasse pequeno para um número cada vez maior de turistas e foliões. Este “novo” trajeto liga as belas praias da Barra e Ondina, num percurso de aproximadamente 4 km, marcado em quase toda a sua extensão, por uma vista estonteante da Baía de Todos os Santos. Blocos uniformizados, cada um com sua atração, iniciam no Farol da Barra uma jornada mágica de alegria, que somente depois de 6 horas, termina na Praia de Ondina. Os últimos anos marcaram o surgimento de camarotes superbadalados, alguns, inclusive, assinados por personalidades baianas e artistas famosos. Suas instalações incluem buffet de alto nível, acesso privativo à praia, pista de dança e shows entre a passagem dos trios. Na avenida, e fora dos blocos, a maioria do foliões, conhecida como pipoca, promove grande agitação e alegria. Para essa galera, o “point” de aguardados ou inesperados encontros é sempre o “beco” de Ondina, onde os trios dão aquela tradicional “paradinha”.

Circuito Osmar

Foi neste circuito que a Bahia presenciou os episódios mais marcantes da história de seu carnaval. Seu trajeto de 6 km traz o charme dos casarões do centro e a aura de muitos e inesquecíveis carnavais, numa história que começou com a fubica de Dodô e Osmar, passou pelo deboche de Luiz Caldas, e ainda hoje, sacode com os hits incomparáveis do Chiclete, Asa de Águia e Timbalada. O percurso começa no corredor da Vitória, corta a praça do Campo Grande, local de camarotes bem badalados, e desce a longa Avenida Sete de Setembro. Até o seu final desta rota, o fôlego e a alegria do folião serão rigorosamente testados, já que somente após cerca de 7 horas e meia, o trio retorna ao Campo Grande marcando o final da jornada. Hoje, dividindo as atenções com badalado Circuito Dodô, o carnaval no centro da cidade tem seus momentos áureos, justamente nos três últimos dias da festa, quando os principais nomes da “axé music”, ainda priorizam sua tradição.

 

 

Circuito Batatinha

Tendo como palcos principais, as praças, Municipal e da Sé, além do famoso Pelourinho, o carnaval do centro histórico, à cada ano, apresenta-se mais bonito, alegre e estruturado. A iniciativa de revitalizar a folia neste ponto da cidade surgiu com o Projeto Pelourinho Dia e Noite, que em parceria com a Secretaria de Cultura e Turismo do Estado, é também o responsável pela maioria dos eventos realizados no local, durante todo o ano. No carnaval, em meio a casarões coloniais, ruas bem pitorescas e um astral todo especial, bandinhas e charangas percorrem os caminhos do “Pelô”, tocando antigas e saudosas marchinhas, que arrastam uma multidão super eufórica. Por apresentar uma programação mais tranqüila, o Circuito Batatinha é muito procurado por famílias, que querem curtir um carnaval mais calmo, longe da badalação do eixo tradicional. Na praça Municipal, o palco armado em frente à sede da Prefeitura já se tornou famoso pelos desfiles e concursos de fantasia.

Circuito Dodô

Para a maioria dos amantes do carnaval baiano, o surgimento do Circuito Dodô representou para a festa, uma verdadeira revolução em termos de infra-estrutura e conforto. A folia adquiriu, com o passar dos anos, o status de maior festa popular do planeta, fazendo com que o circuito tradicional (Campo Grande), se tornasse pequeno para um número cada vez maior de turistas e foliões. Este “novo” trajeto liga as belas praias da Barra e Ondina, num percurso de aproximadamente 4 km, marcado em quase toda a sua extensão, por uma vista estonteante da Baía de Todos os Santos. Blocos uniformizados, cada um com sua atração, iniciam no Farol da Barra uma jornada mágica de alegria, que somente depois de 6 horas, termina na Praia de Ondina. Os últimos anos marcaram o surgimento de camarotes superbadalados, alguns, inclusive, assinados por personalidades baianas e artistas famosos. Suas instalações incluem buffet de alto nível, acesso privativo à praia, pista de dança e shows entre a passagem dos trios. Na avenida, e fora dos blocos, a maioria do foliões, conhecida como pipoca, promove grande agitação e alegria. Para essa galera, o “point” de aguardados ou inesperados encontros é sempre o “beco” de Ondina, onde os trios dão aquela tradicional “paradinha”.

Circuito Osmar

Foi neste circuito que a Bahia presenciou os episódios mais marcantes da história de seu carnaval. Seu trajeto de 6 km traz o charme dos casarões do centro e a aura de muitos e inesquecíveis carnavais, numa história que começou com a fubica de Dodô e Osmar, passou pelo deboche de Luiz Caldas, e ainda hoje, sacode com os hits incomparáveis do Chiclete, Asa de Águia e Timbalada. O percurso começa no corredor da Vitória, corta a praça do Campo Grande, local de camarotes bem badalados, e desce a longa Avenida Sete de Setembro. Até o seu final desta rota, o fôlego e a alegria do folião serão rigorosamente testados, já que somente após cerca de 7 horas e meia, o trio retorna ao Campo Grande marcando o final da jornada. Hoje, dividindo as atenções com badalado Circuito Dodô, o carnaval no centro da cidade tem seus momentos áureos, justamente nos três últimos dias da festa, quando os principais nomes da “axé music”, ainda priorizam sua tradição.

Bahia.com.br
Copyleft 2019