Cachoeira

“Cachoeira heróica e monumento nacional”. O letreiro do pórtico, na entrada, já informa o que turistas e visitantes vão encontrar na cidade do recôncavo baiano, que fica a 133 km de Salvador: muita história e um conjunto arquitetônico, de estilo barroco, que foi reconhecido pelo Iphan como patrimônio da humanidade.

Fundada às margens do Rio Paraguaçu, Cachoeira respira história, a começar pela sua participação efetiva na independência do Brasil; seu apogeu durante os séculos XVIII e XIX, quando seu porto era utilizado para escoar a produção agrícola do recôncavo e o sincretismo religioso, cujo ponto alto é a tradicional festa da Boa Morte, que ocorre todo mês de agosto.

Além disso, cultura também faz parte desse mundo chamado Cachoeira e não é toa que desde 2011 a cidade leva milhares de visitantes para a Festa Literária Internacional (Flica), que acontece todos os anos no mês de outubro, além do Samba de Roda, que tem sua doutora nascida em Cachoeira: a cantora e compositora Dalva Damiana de Freitas, que recebeu o título de Doutora Honoris Causa da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), em 2012.


Já quando o assunto é seu conjunto arquitetônico, os turistas podem visitar a Casa de Câmara e Cadeia Pública, Convento e Igreja Nossa Senhora do Carmo, Igreja Matriz de Nossa Senhora do Rosário, Igreja Nossa Senhora da Ajuda, além disso tem o Museu Regional de Cachoeira, Centro Cultural de Irmandade da Boa Morte, a Imperial Ponte Dom Pedro II, dentre outros.

E, para quem quer fazer um turismo de experiência, é possível fazer visitas guiadas às comunidades Quilombolas do Vale do Iguape, que ficam acerca de 20 quilômetros da sede (Cachoeira), a chamada rota da liberdade. Além disso ainda tem passeios de barco pelo Rio Paraguaçu.

Para quem for à Cachoeira saindo de Salvador, pega a BR 324, percorre 59km e entra na BA 026, passa por Santo Amaro e continua até o destino final.