Bahia Panorâmica

salvador.jpg

Por suas características singulares, Salvador, a capital da Bahia, tornou-se um dos principais destinos turísticos internacionais. Famosa pela sua história, pelo legado deixado por povos de outros continentes, pela miscigenação cultural, pelo sincretismo religioso e pelo povo hospitaleiro, a capital baiana é cenário e objeto de estudo de profissionais de diversas áreas, há muitos anos. As ruas do Centro Histórico de Salvador transportam o turista para os primórdios da história do Brasil. Profundos conhecedores da cultura local, os guias turísticos da região explicam como se desenvolveu a colonização da primeira cidade do País.

Até 1763, Salvador foi a capital da Coroa Portuguesa nas Américas, destacando-se, também, como o principal porto do Hemisfério Sul até o século XVIII. A cidade é considerada a capital cultural do País, berço de grandes nomes nas diversas manifestações artísticas, com destaque nacional e internacional. A atividade cultural e o turismo são importantes geradores de emprego e renda, impulsionando as artes e a preservação dos patrimônios artístico e cultural. Como se não bastasse Salvador ainda conta com muitas belezas naturais: são 50 km de praias, além de diversos parques ecológicos. Salvador é uma cidade ensolarada, de clima quente e úmido, tipicamente tropical, com temperatura média de 25 ºC.

Atrativos:

Centro Histórico
Tombado pela Unesco como Patrimônio da Humanidade, o Centro Histórico de Salvador possui milhares de casarões dos séculos XVI, XVII, e XVIII. Divide-se em três áreas principais: a Praça Municipal ao Largo de São Francisco, o Pelourinho e o Largo do Carmo, finalizando com o Largo de Santo Antônio Além do Carmo. São igrejas e casarões seculares, circundados por uma farta atividade cultural desenvolvida no local. Além disso, em suas ladeiras e ruas pavimentadas com pedras cabeça-de-negro estão registrados importantes trechos da história brasileira. Entre os seus atrativos, merecem destaque as Praças Municipal e da Sé, o Elevador Lacerda, a Câmara Municipal, o Paço Municipal, o Palácio Rio Branco, a Santa Casa e Igreja da Misericórdia, o Palácio Arquiepiscopado, a Catedral Basílica, o Terreiro de Jesus, o Largo do Cruzeiro de São Francisco, o Pelourinho com suas igrejas, lojas e praças, e por fim, o Largo do Carmo, onde estão o Forte de Santo Antônio e o grande conjunto religioso formado pela Igreja e Convento de Nossa Senhora do Carmo e pela Igreja da Ordem Terceira do Carmo.

Manifestações Populares

Passadas através de gerações, as manifestações populares são um forte traço cultural da cidade de Salvador. O folclore da cidade reúne elementos artísticos feitos do povo para o povo, sempre ressaltando o caráter de tradicionalidade destas representações, como capoeira, afoxé, Folia de Reis, Maculelê e Samba de Roda (Assista a vídeos sobre essas manifestações na área Multimídia ou clique aqui…)

Praias
A orla marítima de Salvador é uma das maiores do Brasil. São 50 km de praias distribuídas entre a cidade alta e a cidade baixa, desde Inema, no subúrbio ferroviário, até a Praia do Flamengo, no extremo oposto da cidade. Enquanto as praias da cidade baixa são banhadas pelas águas da Baía de Todos os Santos, a mais extensa do País, com 1.052 km de espelho d’água, as praias da cidade alta, do Farol da Barra até Flamengo, são banhadas pelo Oceano Atlântico. A exceção é o Porto da Barra, única praia da cidade alta que fica na Baía de Todos os Santos.

Igrejas:

Igreja da Ajuda
Fundada pelos jesuítas que vieram com Tomé de Souza no Séc. XVI. Demolida e reconstruída no lado oposto da rua no século XX é uma das mais antigas de Salvador. Atualmente apresenta tratamento de fachada neo-romântico.

Igreja da Ascensão do Senhor

Construída em 1975, foge aos padrões convencionais das igrejas de Salvador. Nela tudo praticamente leva o número 12, uma homenagem aos 12 apóstolos de Cristo, a cobertura é formada por 12 “pétalas” de concreto e 12 bancos estão posicionados em fila. No subterrâneo existe ainda uma mini-igreja, onde estão localizadas as instalações do batistério e a sacristia.

Igreja da Ordem Terceira de São Domingos
Iniciada em 1731 e concluída seis anos depois, possui fachada em estilo rococó e talha atual neoclássica. A planta é típica das igrejas do início do século XVIII, com corredores laterais e tribunas superpostas. O teto da nave em concepção ilusionista e os painéis do Salão Nobre são atribuídos a José Joaquim da Rocha, sendo os azulejos da Capela-Mor retratos de São Domingos.

Capela de Nossa Senhora da Penha
Situada no Estuário do Iguape, a capela-mor e a nave são integralmente revestidas de azulejos tipo "massaroca". Datada de meados do século XVII.

Casa dos Padres (Itacaré)
Construída sobre porão alto pelos jesuítas no início do século XVIII. O telhado é em quatro águas, com terminação beira-saveiro. Está em semi-ruína, com telhado já desabado.

Catedral Basílica
Foi construída no século XVII, com materiais como ouro, mármore, madeira de jacarandá e marfim de tartaruga. É uma Igreja que mistura os estilos barroco e rococó.

Igreja do Nosso Senhor do Bonfim
Construída sobre uma colina em meados do século XVIII. Destaca-se a imagem do Senhor do Bonfim, um crucifixo de ébano com adornos de prata, grande devoção do povo baiano.

Igreja e Convento de São Francisco
Uma das maiores expressões do barroco no Brasil, com retábulos recobertos de folha de ouro. Destaque para a imagem de São Pedro de Alcântara, atribuída a Manoel Inácio da Costa. As obras da igreja foram iniciadas na primeira metade do século XVIII. A nave central, cortada por outra menor, forma a cruz do Senhor. As pinturas têm formas de estrelas, hexágonos e octógonos e exaltam Nossa Senhora. Na sacristia, estão reunidos 18 painéis a óleo sobre a vida de São Francisco.

Fortes:

Forte de Santo Antonio da Barra
Pertencente à Marinha do Brasil, está localizado na entrada Norte da Baía de Todos os Santos. Essa fortificação foi iniciada pelo primeiro donatário da Capitania da Bahia, Francisco Pereira Coutinho, em 1536, tendo originalmente forma de torre com dez lados.

Forte do Monte Serrat
É considerado, pela sua forma harmoniosa, a mais bela construção militar do período colonial brasileiro. Foi construído a partir de 1583, numa posição estratégica no alto da ponta mais avançada da península com vistas sobre o porto da cidade. Concluído em 1742, sem modificações em sua planta original, permanece até os dias de hoje com uma casa de comando flanqueada às muralhas de bastiões redondos, contando com uma bateria de nove canhões.

Museus:

Museu Carlos Costa Pinto
Revela a intimidade das ricas famílias dos séculos XVIII e XIX. A coleção particular de Costa Pinto deu origem a 23 salas de exposição de arte decorativa e pintura. O acervo conta com coleções de prataria, ourivesaria, porcelana chinesa e européia, cristais, mobiliário, pinturas, trabalhos em marfim, opalina, bronze e laca chinesa. As jóias de ouro e a coleção de 27 balangandãs de prata são as peças mais preciosas de todo o acervo.

Museu de Arte Sacra
Inaugurado em 10 de agosto de 1959, situa-se no Convento de Santa Tereza, um dos mais notáveis conjuntos arquitetônicos do período seiscentista. Obra das Carmelitas Descalças. Seu acervo é composto por coleções de esculturas em madeira, pedra-sabão, barro e marfim e ourivesaria, entre as quais se destaca uma custódia em prata dourada, adornada com mais de 400 pedras preciosas e semi-preciosas.

Museu de Arte da Bahia
Mais antigo museu do Estado, fundado em 1918, funciona hoje no Solar Cerqueira Lima. Destacam-se no acervo esculturas em madeira, barro e marfim, pinturas em azulejos e pratarias dos séculos XVII, XVIII e XIX, assim como peças do mobiliário baiano do mesmo período.

Museu Abelardo Rodrigues
Uma das maiores coleções particulares de arte sacra do Brasil: 808 peças entre imagens, pinturas, oratórios, altares, crucifixo dos séculos XVII ao XIX. Fica no andar nobre do Solar Ferrão, valioso prédio da arquitetura civil do período colonial.

Como Chegar
Por via aérea, a partir de qualquer capital todas as companhias aéreas brasileiras dispõem de vôos diários para Salvador. De outros países, há 30 vôos semanais de 18 cidades, de 13 países e de três continentes. Por via rodoviária, cortando o Estado da Bahia de sul a norte, as BR 101 e 116 interligam Salvador a todo o restante do País. Basta, na altura de Feira de Santana, pegar a BR-324. A capital baiana é servida por linhas de transporte rodoviário originadas a partir de quase todos os Estados brasileiros. Pó via marítima, dezenas de cruzeiros fazem paradas em Salvador, especialmente durante o verão.
 

 
 

Bahia.com.br
Copyleft 2017